O que é protagonismo infantil e como incentivá-lo?

O protagonismo infantil mostra que as crianças são agentes importantes na sociedade e capazes de transformar o mundo à sua volta.

As formas de criar os filhos e a educação escolar se transformaram muito nas últimas gerações, acompanhando grandes mudanças no mundo e na maneira como nos relacionamos. O que vemos é a participação cada vez mais ativa das crianças nas famílias e em seus processos de aprendizagem: elas não são mais consideradas apenas espectadoras, mas sim indivíduos com capacidade de participar de decisões, expressando opiniões e necessidades próprias.

Estamos falando de Protagonismo Infantil. A palavra “protagonista”, muito usada no teatro, na literatura e no cinema se refere à figura central de uma história. Ou seja, a ideia de protagonismo infantil significa tornar as crianças agentes de seu próprio desenvolvimento, com poder para influenciar os seus arredores.

Isso significa entender que a criança não é valiosa apenas porque será o adulto de amanhã, mas sim porque ela já tem muito a contribuir e construir independentemente de sua idade. Para ser protagonista na comunidade, na família, na escola, na igreja ou outros espaços que frequenta, a criança precisa ser valorizada e incentivada a expressar pensamentos, sentimentos e necessidades. Ela deixa de ser apenas quem recebe as regras prontas, e começa a participar de forma ativa em diferentes contextos de seu dia a dia.

Benefícios do protagonismo infantil

O protagonismo infantil vem ganhando destaque como prática inovadora na educação, mas essa ideia já está presente há anos no próprio Estatuto da Criança e do Adolescente, e até no Marco Legal da Primeira Infância – leis que tem como objetivo garantir o desenvolvimento e os direitos das crianças. Elas falam sobre “incluir a participação da criança na definição das ações que lhe digam respeito”, incentivando sempre a sua relação com o ambiente e as pessoas de seu entorno.

Uma educação voltada para o protagonismo em casa, na escola ou outros ambientes, traz benefícios como:

  • Desenvolvimento do autoconhecimento e da autoestima
  • Estímulo da empatia e do respeito às diferenças
  • Maior senso de cidadania e pertencimento à sociedade
  • Desenvolvimento da proatividade e habilidades sociais
  • Incentivo à proatividade e habilidades interpessoais
  • Melhores competências socioemocionais e de resolução de problemas

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

Como incentivar o protagonismo infantil?

O protagonismo pode ser incentivado desde cedo na infância, e a participação em conjunto da família e da escola para isso é essencial. Veja algumas formas de incentivar os pequenos a serem protagonistas no dia a dia:

  1. Escuta ativa

As crianças se expressam de diferentes maneiras desde bebês, indo muito além da fala. Nós, como adultos, devemos aprender a escutá-las de verdade, sem ignorar quando se manifestam. Os pequenos não se expressam apenas oralmente, mas também através de gestos, de ações, do silêncio e de seu comportamento. Praticar a escuta ativa é estar atento a todas essas formas de comunicação, para compreender as verdadeiras necessidades da criança.

  1. Curiosidade

As crianças já nascem curiosas, e é isso que as faz descobrir o mundo à sua volta. Incentivar essa habilidade e o espírito de descoberta é muito importante para que elas continuem aprendendo de forma ativa, sem depender que alguém lhes mostre sempre o caminho. Encorajar o pensamento científico, o contato com a natureza, com histórias lúdicas e a observação do mundo são formas de incentivar a curiosidade e a vontade de aprender.

  1. Espaços que educam

As crianças estão sempre aprendendo, muito além da sala de aula. Os espaços em que vivem também têm grande influência na forma como interagem e se desenvolvem. Por isso, oferecer espaços seguros e que incentivem a autonomia faz toda a diferença. Quando a criança pode brincar livremente, interagir e transformar os espaços, ela se desenvolve melhor.

  1. Ambientes acolhedores

Os dois principais lugares que as crianças costumam ocupar na primeira infância são a sua casa e a escola. Ter relações saudáveis em família e também com os professores e colegas de escola é essencial para a criança crescer em ambientes de referência para ela, onde se sente segura e acolhida. Essa segurança ajuda no desenvolvimento da sua autonomia.

  1. Autoconhecimento

Incentivar o autoconhecimento envolve diferentes aprendizados. Primeiro, sobre o próprio corpo, suas necessidades físicas, o que consegue fazer e suas limitações. Segundo, sobre seus sentimentos e emoções, como reconhecê-los e lidar com eles. E ainda, sobre a sua própria origem, a história da sua família e como isso está presente no seu dia a dia. O autoconhecimento ajuda a criança a entender seu lugar no mundo, a saber seu potencial e aprender a superar suas limitações.

  1. Conviver com diferenças

No mundo, as diferenças existem a todo instante em qualquer lugar. Viver isso desde cedo ajuda a criança a criar relações saudáveis, através da empatia e do reconhecimento das características de cada um. Por isso, promover o convívio de crianças com necessidades e origens diversas acaba potencializando o desenvolvimento de cada uma delas.

  1. Consciência global

Para incentivar o protagonismo infantil é preciso levar em consideração que a criança tem noção de causa e consequência, com base nos próprios fatos de seu dia a dia – se não regar uma plantinha, por exemplo, ela vai acabar morrendo. Mostrar para as crianças que elas influenciam o mundo que as cerca, ajuda a compreenderem que são realmente importantes e podem ser protagonistas para sua transformação. Essa noção é essencial para aprenderem sobre cidadania e fazerem escolhas responsáveis, com consciência ambiental e social.

A Zastras tem produtos que ajudam nessa tarefa!

Com os nossos livros, brinquedos, jogos e fantasias a criança crescre brincando e descobre o mundo em que vive, e sobre quem ela é. Tudo isso através de brincadeiras! Com a diversão, ela conhece a importância das coisas e como ela influência diretamente no mundo.

 

Fonte: Dentro da História